Guerra

Em meio a guerra, cassinos tentam resistir na Ucrânia

Embora as condições não sejam as melhores, a organização tem procurado reativar a indústria como outros setores econômicos têm feito em busca de restabelecer um mercado de jogos ativo

Em meio a guerra, cassinos tentam resistir na Ucrânia

Conflitos de guerra geralmente causam crises econômicas para os países envolvidos e esta situação não tem sido alheia à Ucrânia e muito menos para a indústria de jogos no país.

Recentemente, Anton Kuchukhidze , presidente do Conselho de Jogos Ucraniano (UGC), forneceu uma atualização sobre os desenvolvimentos de jogos no país, que vem sofrendo ataques russos há mais de dois meses.

Embora as condições não sejam as melhores, a organização tem procurado reativar a indústria como outros setores econômicos têm feito em busca de restabelecer um mercado de jogos ativo.

“No oeste da Ucrânia, é claro, a situação é melhor. Tanto os cassinos quanto as máquinas caça-níqueis funcionam lá, mas obviamente o fluxo turístico de pessoas diminuiu e, de acordo com a lei, cassinos e caça-níqueis só podem ser localizados em hotéis. Reconhecemos que devido à guerra, não há muitos turistas dispostos a nos visitar. Assim, o número de visitantes às salas de jogos também diminuiu significativamente.”, disse Kuchukhidze, a SBCCIS.

Embora o conflito não tenha terminado, a UGC está otimista e afirma que está disposta a fazer todo o possível e trabalhar em conjunto com outras agências de cooperação para ajudar na recuperação econômica do país após a guerra.

“Quero prestar homenagem à Comissão, que não deixou de trabalhar um só dia e esteve sempre em contacto com os membros. Acredito que não há momento mais crítico do que uma guerra para testar os verdadeiros desejos do mercado. Este é um momento crítico, o compromisso com o setor foi demonstrado”, concluiu o funcionario a SBCCIS.

¿Quieres enterarte primero de todo lo que sucede en el mundo del poker? CodigoPoker te brinda la mejor información minuto a minuto en tu social media. Síguenos en Facebook, Twitter, Youtube y Google

NOTICIAS MÁS LEIDAS Presentadas por